sexta-feira, 13 de abril de 2012

Mãe Umbanda



A Umbanda liberta!
Liberta as consciências adormecidas e embotadas em si mesmas.
Através do trabalho, impõe a responsabilidade aos seus filhos, 
sobre o papel que desempenham perante a Espiritualidade Maior, 
libertando-os da inércia.
Retira a trave que impede o movimento da roda da evolução, 
do crescimento espiritual e humano.
A Umbanda alimenta! 
Alimenta nossa carência na busca por nós mesmos, 
na busca de nossa própria essência, 
guardada na memória celular de nossa alma!
Alimenta nossa sede de conhecimentos de nossa origem eternal 
e de nosso papel atual no mundo.
A Umbanda cura! 
Ela nos cura de nossas mazelas e cicatriza nossas feridas. 
Cura-nos de nossa lamentável capacidade de nos auto-obsediar 
com tantos e tantos pensamentos e sentimentos menos nobres.
A Umbanda nos acolhe! 
Recebe-nos com os braços abertos, tal qual a mãe acolhe seus filhos.
Ela nos acalenta e nos ensina a caminhar melhor na vida.
A Umbanda é fonte permanente, 
é água abundante de Sabedoria, Força e Amor, 
trazida por seus Emissários de Luz - Caboclos, Pretos Velhos e Crianças.
Mas, há que se estar receptivo para ser banhado por essa água cristalina e poder beber desta Fonte Sagrada.
A Espiritualidade grita por nós!
E como vai a nossa capacidade de ouvir?
A Espiritualidade nos mostra, tantas vezes, 
através de imagens mentais incutidas em nosso ser. 
E como anda a nossa capacidade de ver?
A Espiritualidade nos envia energias restauradoras e benéficas 
através de suas vibrações. 
E como vai a nossa capacidade de sentir contatos mais sutis?
Por onde passeia nossa mente a maioria do tempo? 
Quais os sentimentos que nosso coração consegue assimilar e reter? Qual o tempo que dispomos para uma conexão com mundo espiritual?
Assim como o corpo físico é o meio por onde se manifesta o espírito, também o terreiro de Umbanda é a parte física 
por onde se manifesta a Espiritualidade. 
Como estamos cuidando dessa casa? 
Qual o nosso sentimento quando nos dirigimos para lá?
Será que somos sempre cônscios da oportunidade ímpar 
(e quantas vezes rara), de estar em contato 
com os verdadeiros Guias, Mentores e Protetores Espirituais?
Será que temos uma leve noção de quem são 
estes verdadeiros Mensageiros do Alto?
Temos honrado o compromisso assumido com o Astral Superior, com as nossas atitudes, aqui no Plano das Formas?
Será que ao término de um dia, de uma semana ou de um mês, saboreamos a sensação do “dever cumprido” perante os nossos Guias?
Não basta QUERER SER, é preciso um vigiar constante 
no nível de nossos pensamentos e sentimentos; 
é preciso ação verdadeira e corajosa para deixar para trás 
tudo aquilo que nos acorrenta e nos escraviza - nossos apegos, 
nossa vaidade, nosso orgulho, nossos medos 
e a nossa infinita capacidade de viver o efêmero de todas as coisas.

Reflitamos nas sábias palavras de um Mestre da Sagrada Raiz de Guiné:

“A Mãe Umbanda, exige méritos. Cobra verdadeiros cumpridores 
das ordens vindas de cima, do Plano Astral. 
Ela exige médiuns cônscios e responsáveis que sabem 
que não se pode virar o Triângulo de Umbanda de cabeça para baixo sem pagar caro, mais hoje ou mais amanhã, 
pois que a LEI de Umbanda é LEI, e não uma simples regra.”


Uma pequena discípula da
Sagrada Raiz de Guiné
Março/2011

Fonte: http://umbandaeuniversalismo-umgritodealerta.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário